O Cultura física terapêutica | Terapia de exercício
O

Cultura física terapêutica

A seção é escrita por uma equipe de especialistas líderes no campo da cultura física curativa - de acordo com o novo programa para instituições especiais de ensino superior. Leva em conta as conquistas modernas da ciência médica, que levaram a uma mudança de visão sobre os métodos de tratamento, incluindo os métodos de educação física terapêutica. Ilustrado por um grande número de desenhos, em muitas seções são dados complexos ou uma lista de exercícios físicos especiais.

Os currículos dos institutos de educação física fornecem uma gama suficientemente ampla de conhecimentos no campo das ciências sociais, psicológicas, pedagógicas e biomédicas. Esse conhecimento não estaria completo se os alunos estudassem o efeito de exercícios físicos e os métodos de seu uso apenas em aulas com pessoas saudáveis ​​e não se familiarizassem com as especificidades de ocupações com pessoas que têm desvios no estado de saúde ou qualquer doença.

Graduados de institutos de cultura física são frequentemente enviados para trabalhar em escolas, escolas técnicas e universidades, onde eles têm que realizar aulas em grupos especiais que unem estudantes com várias doenças. Conhecendo as peculiaridades dos métodos de se exercitar com os pacientes, mecanismos de ação terapêutica dos exercícios físicos também são necessários quando se trabalha com grupos de saúde.

Além disso, professores e treinadores atendem à necessidade de realizar aulas com atletas após lesões e doenças. Portanto, o currículo dos institutos de cultura física inclui a disciplina de treinamento físico terapêutico, que estuda a organização, os métodos de exercício e os mecanismos de seu efeito terapêutico em uma variedade de doenças e lesões.

O

Este livro é escrito pela equipe do autor de acordo com o novo programa, unificado para as faculdades de coaching e pedagógicas dos institutos de cultura física. O livro apresenta idéias modernas sobre os mecanismos de ação terapêutica dos exercícios físicos, bem como características da técnica de exercícios físicos em várias doenças.

O livro consiste em 5 partes e 17 capítulos (veja o índice completo abaixo).

Introdução

A cultura física terapêutica (ou LFK abreviada) é uma disciplina médica independente que utiliza os meios da cultura física para tratar doenças e lesões, prevenir suas exacerbações e complicações e restaurar sua capacidade de trabalho. O principal tal instrumento (e isto distingue LFK de outros métodos do tratamento) é exercícios físicos - um estimulante de funções vitais do corpo.

O treinamento físico terapêutico é um dos elementos mais importantes do tratamento complexo moderno, o que significa um conjunto individualmente selecionado de métodos e meios terapêuticos: conservador, cirúrgico, medicamentos, fisioterapêutico, nutricional terapêutico etc. O tratamento complexo afeta não apenas tecidos, órgãos ou sistemas orgânicos patologicamente alterados , mas também em todo o organismo como um todo. O peso específico de vários elementos do tratamento complexo depende do estágio de recuperação e da necessidade de restaurar a capacidade de trabalho. Um papel essencial no tratamento complexo pertence à cultura física terapêutica como método de terapia funcional.

Os exercícios físicos afetam a reatividade de todo o organismo e envolvem na reação global os mecanismos que participaram do processo patológico. Neste sentido, o exercício terapêutico pode ser chamado de um método de terapia patogenética.

LFK fornece a implementação consciente e ativa de exercícios físicos apropriados por pacientes. Durante o treinamento o paciente adquire habilidades no uso de fatores naturais da natureza para o endurecimento, exercícios físicos com fins terapêuticos e preventivos. Isso permite considerar a prática da cultura física curativa como um processo terapêutico e pedagógico.

LFK usa os mesmos princípios de exercícios físicos como a cultura física para uma pessoa saudável, a saber: os princípios de impacto abrangente, aplicação e orientada para a saúde. Em seu conteúdo, a cultura física terapêutica é parte integrante do sistema soviético de educação física.

Parte um. Questões gerais de cultura física terapêutica
Capítulo I. Uma breve história do desenvolvimento da cultura física terapêutica
O


  • Capítulo II. Bases clínicas e fisiológicas e mecanismos de ação terapêutica de exercícios físicos
  • Capítulo III. Princípios gerais de aplicação de terapia de exercício
  • III 1. Meios de treinamento físico terapêutico
  • III 2. Classificação e caracterização de exercícios físicos
  • III 3. Métodos de uso terapêutico de exercícios físicos (requisitos gerais). Dosagem de exercício
  • III 4. Formas de cultura física terapêutica
  • III 5. Métodos de avaliação médica e pedagógica da influência da cultura física terapêutica
  • III 6. Períodos de uso terapêutico de exercícios físicos
  • III 7. Organização da cultura física terapêutica nas instituições de saúde
  • III 8. Tratamento funcional patogenético complexo e cultura física terapêutica
  • Parte dois. Cultura física terapêutica em doenças de órgãos internos e articulações
  • Capítulo IV. Cultura física terapêutica em doenças do sistema cardiovascular
  • IV. 1. Mecanismos de ação terapêutica de exercícios físicos
  • IV. 2. Indicações e contra-indicações ao uso da cultura física terapêutica
  • IV. 3. Fundamentos da terapia com exercícios
  • IV. 3.1. Aterosclerose
  • IV. 3.2. Doença cardíaca isquêmica
  • IV. 3.3. Reumatismo
  • IV. 3.4. Doenças cardíacas
  • IV. 3.5 Doença hipertensiva
  • IV. 3.6. Doença hipotônica
  • IV. 3.7. Doença Arterial Obliterante
  • IV. 4. O papel dos exercícios físicos na prevenção de doenças do sistema cardiovascular
  • Capítulo V. Exercício para doenças respiratórias
  • V. 1. Mecanismos de ação terapêutica de exercícios físicos
  • V.2. Fundamentos de métodos de treinamento físico terapêutico
  • V. 2.1. Asma brônquica
  • V. 2.2. Enfisema dos pulmões
  • V. 2.3. Pneumonia
  • V. 2.4. Pleurisia
  • Capítulo VI. Fisioterapia em doenças do sistema digestivo e distúrbios metabólicos
  • VI. 1. Mecanismos de ação terapêutica de exercícios físicos
  • VI. 2. Fundamentos dos métodos de educação física terapêutica
  • VI. 2.1. Gastrite
  • VI. 2.2. Úlcera péptica
  • VI. 2.3. Doenças do intestino
  • VI. 2.4. Esplanoptose
  • VI. 2.5. Colecistite e colelitíase
  • VI. 2.6. Obesidade
  • VI. 2.7. Diabetes Mellitus
  • VI. 2.8. Gota
  • Capítulo VII. Exercício para doenças das articulações e osteocondrose da coluna vertebral
  • VII. 1. Mecanismos de ação terapêutica de exercícios físicos
  • VII. 2. Noções básicas dos métodos de treinamento físico terapêutico
  • VII. 2.1. Artrite
  • VII. 2.2. Osteoartrite
  • Parte Três Cultura física terapêutica em doenças e lesões cirúrgicas
  • Capítulo VIII. Cultura física terapêutica com lesões do sistema musculoesquelético
  • VIII. 1. Exercícios de fisioterapia para lesões da cintura escapular e membro superior
  • VIII. 1.1 Fratura, luxação da clavícula, ruptura da articulação acromioclavicular
  • VIII. 1.2. Fratura da escápula
  • VIII. 1.3. Fraturas do terço superior do úmero
  • VIII. 1.4. Luxações da cabeça do úmero
  • VIII. 1.5. Fratura diafisária do úmero
  • VIII. 1.6. Lesões na articulação do cotovelo
  • VIII. 1.7. Fraturas da diáfise do antebraço
  • VIII. 1.8. Fraturas, luxações no punho e na mão
  • VIII. 1.9. Danos aos tendões da mão e dedos
  • VIII. 2. LFK em fraturas de vértebra ou vértebras sem violação de integridade de uma corda espinal
  • VIII. 2.1. Fraturas de vértebras cervicais
  • VIII. 2.2. Fraturas por compressão das vértebras torácicas, lombares e sacrais
  • VIII. 3. Cultura física médica em fraturas de ossos pélvicos e membros inferiores
  • VIII. 3.1. Fraturas dos ossos pélvicos
  • VIII. 3.2. Fraturas do pescoço do quadril
  • VIII. 3.3. Fratura diafisária do fêmur
  • VIII. 3.4. Lesões na articulação do joelho
  • VIII. 3.5. Fratura dos tornozelos
  • VIII. 3.6. Fraturas dos ossos do pé e dedos
  • VIII. 3.7. Danos ao aparelho tendão-ligamento do tornozelo
  • O

    Capítulo IX. Fisioterapia para queimaduras e queimaduras

  • IX. 1. Principais manifestações clínicas e fisiológicas e métodos de tratamento complexo da doença de queimadura
  • IX. 2. Bases clínicas e fisiológicas e mecanismos de ação terapêutica de exercícios físicos em caso de doença de queimadura
  • IX. 3. Métodos de cultura física terapêutica em caso de doença de queimadura
  • IX. 4. Fundamentação clínica e fisiológica e técnica de terapia de exercícios em caso de congelamento
  • Capítulo X. Atividade física terapêutica em operações nos órgãos do tórax e cavidade abdominal
  • X. 1. Operações nos órgãos do tórax
  • X. 1.1. Operações nos pulmões
  • X. 1.2. Cirurgia cardíaca
  • X. 2. Operações nos órgãos abdominais
  • X. 2.1. Cirurgia no estômago e duodeno
  • X. 2.2. Cirurgia de Herniot
  • CAPÍTULO XI Cultura física terapêutica com defeitos de postura, escoliose e pés chatos
  • XI 1. Defeitos da postura
  • XI 2. Doença escoliótica (escoliose)
  • XI 3. Aplainamento
  • Parte Quatro Cultura física terapêutica em doenças e lesões do sistema nervoso
  • CAPÍTULO XII. Cultura física terapêutica em doenças e lesões do sistema nervoso periférico
  • XII 1. Mecanismos de ação terapêutica de exercícios físicos
  • XII 2. Princípios gerais dos métodos de treinamento físico terapêutico
  • XII 2.1. Neurite do nervo facial
  • XII 2.2. Neurite do nervo ulnar
  • XII 2.3. Neurite do nervo mediano
  • XII 2.4. Neurite do nervo radial
  • XII 2.5. Lesão traumática do plexo braquial - plexite
  • XII 2.6. Neurite isquiática
  • XII 2.7. Neurite do nervo femoral
  • XII 2.8. Neurite dos nervos fibular e tibial
  • XII 2.9. Radiculite e polineurite
  • Capítulo XIII. LFK para doenças e lesões do cérebro e da medula espinhal
  • XIII 1. Princípios gerais dos métodos de condução de aulas
  • XIII. 1.1. Derrame
  • XIII. 1.2. Traumatismos Cerebrais, Tumores, Doenças Inflamatórias
  • XIII. 1.3. Traumatismos da medula espinhal
  • XIII. 2. Características da cultura física terapêutica com paralisia espástica e flácida
  • XIII. 2.1. Paresia espástica e paralisa
  • XIII. 2.2. Paresia flácida e paralisa
  • CAPÍTULO XIV Exercícios de fisioterapia com neuroses
  • XIV 1. Princípios gerais dos métodos da cultura física terapêutica
  • XIV 1.1. Neurastenia
  • XIV 1.2. Psiquiatria
  • XIV 1.3. Histeria
  • Parte Cinco Exercer em grupos médicos especiais e com pessoas de meia idade e idosos
  • Capítulo XV. Cultura física em grupos médicos especiais de instituições de ensino médio e superior
  • XV. 1. Aquisição de grupos médicos especiais
  • XV. 2. Meios e formas de educação física em grupos médicos especiais
  • Capítulo XVI. Educação Física na Idade Média e na Velhice
  • Capítulo XVII. Treinamento físico terapêutico em obstetrícia e ginecologia