Ir Colapso
Ir

Colapso

O colapso é uma insuficiência vascular aguda caracterizada por depressão do sistema nervoso central, uma queda acentuada na pressão arterial e venosa, uma diminuição na massa de sangue circulante e um distúrbio metabólico. Tal insuficiência vascular provoca uma diminuição no conteúdo de oxigênio no sangue e na hipóxia de todos os órgãos e tecidos, principalmente do cérebro. No corpo, os produtos oxidados do metabolismo se acumulam e, como resultado, ocorre acidose.

O colapso pode ocorrer com perda de sangue, choque, falta de oxigênio, desnutrição, lesões, mudanças súbitas na postura (colapso ortostático), exercício, bem como várias intoxicações e doenças (infarto, infarto do miocárdio, pancreatite , etc.). A deficiente circulação sanguínea durante o colapso não é o resultado de um enfraquecimento da atividade cardíaca, mas uma queda no tônus vascular causada por uma lesão dos centros vasomotores. A insuficiência cardíaca se desenvolve novamente devido ao suprimento insuficiente de sangue e hipóxia miocárdica.

Os fenômenos pathophysiological e bioquímicos no momento do colapso determinam o quadro clínico observado com ele. A opressão da atividade mental até a perda da consciência causa-se pela hipoxia do cérebro.

Ir

A pele e as membranas mucosas tornam-se pálidas, tornam-se cobertas de suor, tornam-se frias, a acrocianose desenvolve-se, as veias desaparecem e tornam-se indistinguíveis sob a pele, a frequência, o enchimento e a tensão diminuem, torna-se filiforme. A pressão arterial e venosa é reduzida drasticamente. As bordas do coração não mudam nem diminuem levemente. Os sons do coração são limpos, mas fracos. Falta de ar, superficial, às vezes anormal. Os olhos ficam embotados e afundados, os traços faciais são afiados, os membros ficam frios. Micção e defecação involuntárias podem ocorrer. A temperatura corporal cai para 35 ° e abaixo. Quando os sintomas do colapso aumentam, as pupilas se dilatam, os reflexos desaparecem, a agonia e a morte se instalam.

Dependendo da causa do colapso, variar sua gravidade e a predominância de certos sintomas. O colapso infeccioso, que ocorre em algumas doenças infecciosas agudas graves (por exemplo, pneumonia lobar, tifo , difteria), na maioria das vezes se desenvolve durante uma crise, isto é, uma diminuição acentuada da temperatura.

O colapso hipoxêmico começa com os sintomas característicos da deficiência de oxigênio: palidez, cianose adinamia. A razão para a ocorrência de colapso ortostático é a rápida transição para a posição vertical dos pacientes que estão na cama há muito tempo. Neste caso, uma mudança acentuada na postura causa isquemia cerebral. Em caso de hemorragia, uma diminuição no volume de sangue circulante também leva ao desenvolvimento de colapso devido ao início da falta de oxigênio e a vários processos reflexos causados ​​pela perda de sangue.

Sobre as peculiaridades de colapso no infarto do miocárdio - ver infarto do miocárdio.

Tratamento . O primeiro passo é tomar medidas para estimular a circulação sanguínea e a respiração. Das preparações vasculares, a cânfora é mais amplamente usada (5-10 ml de uma solução de óleo a 20%) por via subcutânea, benzoato de cafeína e sódio em uma veia (1-2 ml de uma solução a 20%), cordiamina (1 ml) em uma veia ou subcutaneamente. O agente hipertensivo eficaz é a norepinefrina, que é administrada por via intravenosa (1 ml de solução a 0,2%) pelo método de gotejamento, geralmente com hidrocortisona (10 mg em 50 ml de líquido). Inalação de carbogênio (95% de oxigênio e 5% de dióxido de carbono ) e injeção de lobelina (0,5 ml de solução a 1%) são prescritos para estimular a respiração e, em caso de parada respiratória, é realizada respiração artificial .

Dependendo da causa do colapso, é necessário prescrever remédios ( transfusões de sangue e de reposição de sangue para perda de sangue , que são prescritas e dirigidas por um médico; terapia anti-choque complexa para choque, desintoxicação, etc.). Em todas as formas de colapso, o paciente precisa criar repouso completo, fornecer aquecimento e introduzir grandes quantidades de fluido no corpo (tanto por via oral quanto por via parenteral).